Hatoum, Ruffato, o Brasil em Buenos Aires

Sylvia Colombo

Devagarzinho, a literatura contemporânea brasileira vai aparecendo no disputado mercado editorial portenho. Apesar da proximidade dos dois países, conhece-se pouco da produção atual dos dois lados da fronteira. No caso da Argentina, o conhecimento do que se escreve e se escreveu no Brasil é limitado a alguns nomes do cânone, Clarice Lispector, Jorge Amado, Rubem Fonseca. Nem Machado de Assis tem sua obra bem dimensionada por aqui.

A 39a edição da Feira do Livro de Buenos Aires, maior evento do mercado editorial do país, corrigiu uma lacuna dos últimos anos. Em 2012, não houve brasileiros convidados a falar, e a presença do país foi minúscula. Em 2013, o pavilhão verde-amarelo já é bem mais vistoso, ainda que com pouca participação das editoras _nota-se que o desinteresse, portanto, está dos dois lados. Os poucos livros em português enviados pela Companhia das Letras, pela Cosac e outras, esgotaram rapidamente. No sábado, o pavilhão estava lá, os livros não…

Por outro lado, outras editoras locais vem descobrindo o filão brasileiros, como é o caso da Adriana Hidalgo, que recentemente incorporou ao mercado novos títulos: Ronaldo Correia de Brito, Nelson Rodrigues, João Gilberto Noll, além de novas traduções, como de Guimarães Rosa e Clarice Lispector. Editoras menores têm trazido à luz autores mais alternativos, como Ferréz.

No que diz respeito aos autores, a participação brasileira na feira melhorou. Estiveram presentes o amazonense Milton Hatoum e o mineiro Luiz Ruffato. Ambos falaram ontem. Enquanto Ruffato participou da mesa “Los Grandes Temas o la Fuerza del Detalle. El Tamaño de las Histórias en la Literatura Latinoamericana Actual”, Hatoum foi convidado ao Café Amsterdã, espaço bom-astral, meio café, meio auditório, armado no meio do pavilhão amarelo. Sua mesa foi: “Leituras Cruzadas: Europa, América Latina y los Imaginários Compartidos”.

A estranheza do público com relação aos temas do Brasil ficou exposta nas perguntas. Uma leitora perguntou a Hatoum o que era o imaginário brasileiro. Para sua decepção, ele respondeu que isso não existe. “Não existe imaginário brasileiro, existem exotismos brasileiros, o Carnaval, o futebol, as mulatas. Quando se fala de literatura brasileira no exterior, se menciona Paulo Coelho, mas Paulo Coelho não representa a literatura brasileira. Paulo Coelho não representa nada.” E acrescentou que a diversidade marca a nossa tradição, e abordou o tema da cor local na literatura. “Clarice Lispector não fala do Rio de Janeiro, fala de algo interior que é universal. O que há de brasileiro é a sua linguagem.” Depois, relacionou a antropofagia brasileira a outros movimentos latino-americanos e reforçou a importância da memória da infância entre suas referências essenciais.

A feira, que neste ano homenageia a cidade de Amsterdã, segue até o próximo fim-de-semana, com a apresentação de livros e palestras de escritores nacionais e convidados, como Laura Esquivel, Artur Perez-Reverte, Wladimir Sorokin, Cees Nooteboom e outros.
Mais informações em www.el-libro.org.ar.

 

 

 

Comentários

  1. This will be the right blog for any person who wants to learn about this subject. You comprehend so much its nearly challenging to argue with you (not that I essentially would want?-HaHa). You definitely put a new spin on a topic thats been written about for years. Good stuff, just awesome!
    cheap sneakers

  2. Youre so cool! I dont suppose Ive read anything like this just before. So nice to find somebody with some original thoughts on this subject. realy thank you for beginning this up. this internet site is something that’s required on the web, somebody with a small originality. beneficial job for bringing some thing new to the web!
    jordan shoes

  3. I wish to express some thanks to you for bailing me out of this type of instance. Right after scouting through the the net and obtaining basics which were not helpful, I was thinking my life was gone. Living without the presence of answers to the problems you have solved all through this short article is a critical case, as well as the kind that might have badly damaged my career if I had not come across your blog. Your competence and kindness in playing with all things was invaluable. I don’t know what I would have done if I hadn’t discovered such a subject like this. I am able to at this point look ahead to my future. Thanks for your time so much for this impressive and result oriented guide. I won’t think twice to endorse your blog to anybody who ought to have counselling on this problem.

  4. I’ve recently started a web site, the information you offer on this site has helped me tremendously. Thank you for all of your time & work. “The very ink with which history is written is merely fluid prejudice.” by Mark Twain.

  5. Pingback: interior design
  6. Thanks for the sensible critique. Me & my neighbor were just preparing to do some research on this. We got a grab a book from our area library but I think I learned more from this post. I am very glad to see such great info being shared freely out there.

  7. Pingback: classifieds
  8. I was very glad to locate this site on bing.I wished to say many thanks to you with regard to this wonderful post!! I definitelyliked every little bit of it and I’ve you bookmarked to take a look at new stuff you post.

Comments are closed.