Minissérie resgata literatura de Rodolfo Walsh

Por Sylvia Colombo
A atriz Soledad Villamil, em cena de "Variaciones Walsh" (Foto Divulgação)
A atriz Soledad Villamil, em cena de “Variaciones Walsh” (Foto Divulgação)

Nos últimos anos, a figura de Rodolfo Walsh (1927-77) vinha sendo valorizada apenas por conta de sua atuação política.

O jornalista e escritor celebrizou-se por ter investigado e revelado o que ocorreu durante um fuzilamento após o golpe militar de 1955, no livro “Operação Massacre” (Companhia das Letras), e por ser um dos primeiros a denunciar publicamente desaparições e mortes que ocorreram no princípio da última ditadura argentina (1976-83), no texto “Carta Abierta de un Escritor a la Junta Militar”. Walsh era também militante montonero [guerrilha urbana de esquerda]. Naquela tarde de março de 1977, estava distribuindo o documento quando foi emboscado na esquina das avenidas San Juan e Entre Ríos, em Buenos Aires, por um dos temidos “grupos de tarefa”, e assassinado.

A partir daí, e principalmente nos últimos anos, quando as lutas de resistência dos anos 70 se transformaram em bandeira do kirchnerismo, Walsh foi realçado, relançado e tomado como exemplo por sua atuação e militância, principalmente fora do mundo das letras.

Porém, seu universo era um tanto mais amplo, e agora a TV Pública argentina resgata sua obra literária por meio de uma boa minissérie. “Variaciones Walsh”, que estreou na última quinta, terá 12 capítulos, adaptados de seus principais contos, como “Em Defensa Propia”, “Transposición de Jugadas” e “Variaciones en Rojo”. Walsh, como celebra Ricardo Piglia na introdução de uma de suas coletâneas, era um exímio escritor policial, e por esse gênero se vinculava fortemente a outros autores argentinos, que também transitaram pelo gênero, como Jorge Luis Borges (1899-1986) e Roberto Arlt (1900-42). Seus contos foram traduzidos ao português e lançados aqui pela editora 34.

O escritor argentino Rodolfo Walsh (Foto Arquivo)
O escritor argentino Rodolfo Walsh (Foto Arquivo)

Gostei do que vi no primeiro capítulo, baseado no engenhoso “La Aventura de las Pruebas de Imprenta». Trata-se da história de um crime misterioso cuja solução acaba sendo dada não pela polícia, mas por um revisor de provas editoriais _ofício a que Walsh se dedicou muitos anos. O protagonista, uma espécie de alter ego do autor, utiliza as provas de um texto no qual o morto, o tradutor Raimundo Morel, estava trabalhando. Analizando as diferenças de ritmo e de forma da caligrafia de Morel, consegue descobrir o local, as motivações e o autor do crime. No elenco da série, estão atores conhecidos do teatro e da TV hispânicos, como Soledad Villamil (“O Segredo de Seus Olhos”) e Dario Grandinetti (“Fale com Ela”, de Pedro Almodóvar).

 

Com duração de pouco menos de meia hora, “La Aventura” deu uma resumida na investigação do revisor e na explicação do crime. Mas a sinopse foi útil para tornar a narrativa mais didática, funcionando como ótima introdução à literatura de Walsh, que merece um reconhecimento artístico acima de sua atuação política. Considerando ser uma obra para televisão aberta, o resultado é bastante bom e cabe ressaltar entre os destaques a atuação, o figurino e caracterização de época.

O primeiro capítulo está na internet (link abaixo). Resta torcer para que a qualidade se mantenha nas semanas seguintes.