Bogotá e México DF, com avenidas fechadas para carros… há tempos

Por Sylvia Colombo
O Paseo de la Reforma, principal avenida da capital mexicana (Foto Reforma)
O Paseo de la Reforma, principal avenida da capital mexicana (Foto Reforma)

A discussão sobre o fechamento da avenida Paulista para lazer aos domingos parece primitiva se compararmos São Paulo com outras metrópoles bastante povoadas da América Latina. Bogotá, a capital colombiana, onde vivem 8 milhões de pessoas, começou a interromper o tráfico das ruas centrais em 1974. Sim, eu disse 1974 (foto abaixo). Desde então, das 7h às 14h dos domingos e feriados, um conjunto de ruas e avenidas do centro passou a funcionar como grande área de lazer para pedestres, corredores e ciclistas, e é concorrido desde cedo _em geral primeiro chegam os esportistas, depois as famílias e jovens e, no fim do período, as pessoas passam a se desmobilizar para ir almoçar. O comércio costuma ficar aberto. A área foi sendo expandida, e hoje corresponde a 121km de vias que, aos domingos e nos feriados, ficam livres de carros. Há, ainda, uma programação de aulas de ginástica, iniciação esportiva, ioga e gincanas para crianças, realizada pela prefeitura.

 

Imagem da ciclovia de Bogotá, em 1974 (Foto El Tiempo)
Imagem da ciclovia de Bogotá, em 1974 (Foto El Tiempo)

 

Tão populosa como São Paulo, a Cidade do México, com seus 21 milhões de habitantes na região metropolitana, há oito anos fecha 55km de suas grandes avenidas centrais aos domingos, incluindo o icônico Paseo de la Reforma. A relação dos mexicanos com a bicicleta vem de longe, sendo uma cidade em sua maioria plana e com uma tradição histórica de comércio ambulante (vendedores de “tamales” e outros alimentos) sobre duas rodas. Os museus da cidade e prédios históricos ficam abertos à visitação e integram de forma harmônica o passeio de quem vai ao centro. Além disso, ambas as cidades também promovem, periodicamente, uma “ciclovia noturna”, para levar as pessoas a frequentarem a região central, sem carro, à noite, criando um ambiente social agradável de convivência.

Será que é um problema tão grande, mesmo?

Rua do centro de Bogotá, fechada para lazer aos domingos (Foto El Tiempo)
Rua do centro de Bogotá, fechada para lazer aos domingos (Foto El Tiempo)