Menos Chaves, mais Cantinflas

Por Sylvia Colombo

cantinflas_

A exaltação do personagem conhecido aqui como Chaves é mais do que um sinal da imensa ignorância dos brasileiros com a cultura dos países latino-americanos. Reforça que, quando se trata do mundo regional, os gestos que se podem esperar do lado de cá são esses: a ridicularização, o tratamento como algo exótico e fútil, obviamente inferior. Para um produto cultural latino-americano ser consumido com êxito no Brasil, precisa ser assim: folclórico, tonto, mostrando que o outro é atrasado.

Comecemos pelo nome do personagem. Ele nunca se chamou Chaves. Para entender a expressão “el chavo del ocho” (o rapaz do oito), porém, é necessária alguma intimidade com o idioma espanhol e sua coloquialidade. Muito complicado, certo? Fácil, chamamos de Chaves mesmo, sem nos importarmos de que fica completamente estranho tratar um garoto comum pelo sobrenome, dando-lhe um formalidade inexistente na série original _basta ver que os outros personagens são chamados só pelos apelidos.

Das centenas de pessoas que vi comentaram o assunto nas redes sociais, várias evocaram uma afetividade infantil ao lamentar a morte do ator que encarnava o protagonista. Até aí tudo bem. Quando somos crianças e adolescentes gostamos de coisas estúpidas, dizemos coisas estúpidas. Muito mais grave é chegar à fase adulta e mandar a observação, cheia de sabedoria, de que um programa tão raso como esse trazia uma espécie de “alta filosofia” embutida. “Chaves” não é “cult”, é ruim mesmo.

Os roteiros eram estúpidos, os textos, fraquíssimos, as piadas, preconceituosas e machistas _basta ver como são retratadas as mulheres no programa. Temos a menina histérica de vestido curto, a mulher mandona cheia de bobs no cabelo, ou uma mais velha, que sem rodeios é chamada de “bruxa”. Sem contar o modelo masculino (seu Madruga), um sujeito folgadão, desbocado e autoritário, a homofobia implícita de seu discurso e suas atitudes.

Mas o pior é passar essa ideia de uma pobreza estereotipada latino-americana. A equação da série é essa: Chaves é um moleque de rua, mas é muito espirituoso. É pobre, dorme num barril, mas é um cara feliz. É ignorante, mas emite frases cheias de sabedoria, como “foi sem querer, querendo” (oi?). Ou seja, o programa reforça todos os chavões que ajudam a perpetuar uma sociedade desigual, onde é chique veranear em balneários como Acapulco e perfeitamente natural que exista uma distinção óbvia entre “gente de bem” e “gentalha”.

Será que os que sentiram sua infância iluminada pelo programa conhecem o comediante Cantinflas (1911-1993), só para ficar no registro dos cômicos populares? Este sim deu vida aos camponeses e o povo humilde do México, com um talento artístico de representação reconhecido até por Charles Chaplin e imortalizado em grandes filmes. Viram um filme como “Los Olvidados”, do espanhol Luis Buñuel, que trata do mesmo tema, em chave dramática? Já ouviram Cafe Tacuba, já leram Juan Rulfo (“Pedro Páramo”), Octavio Paz (“O Labirinto da Solidão”) ou fazem ideia de quem foi a Malinche?

Para os que veem em Chaves um retrato romântico da pobreza latino-americana, pergunto ainda se têm ideia daquilo que o criou e que tanto lucrou com o sucesso do personagem: o grande império midiático chamado Televisa, maior conglomerado da língua hispânica, acusado de financiar campanhas eleitorais e de ter um forte lobby no Congresso.

Nas eleições presidenciais de 2012, milhares de manifestantes mexicanos foram às ruas para protestar contra a idiotização promovida por muitos de seus programas e pelo esclarecimento de denúncias contra a emissora pelo apoio à candidatura do atual presidente. Pelo visto, seu grito foi em vão.