Sylvia Colombo

Latinidades

 -

Sylvia Colombo acompanha o crescente intercâmbio cultural entre o Brasil e o resto da América Latina. No blog, traz novidades e tenta explicar o contexto político da região.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

A agonia de um aeroporto

Por Sylvia Colombo

Não é de hoje que os grandes aeroportos se tornaram um tormento da vida moderna. Se estamos numa capital latino-americana altamente povoada, com movimento de 220 voos por dia e mais de 10 milhões de passageiros por ano, o caos, então, está instalado. Some-se a isso a dificuldade que os pilotos têm em aterrissar na pequena faixa encravada nos Andes, e temos uma ideia do que é chegar a Quito.

Na última madrugada, desci aqui de um voo vindo de Buenos Aires por volta da meia-noite. Pela primeira vez na minha vida, já um tanto rodada de aeroportos, peguei uma fila de imigração que saía pela porta e deixava os passageiros congelados na pista, a temperatura era de 10 graus, esperando sua vez. Demorei quase uma hora para conseguir entrar no saguão da imigração e carimbar meu passaporte. A sensação de estar muito perto do perigo, porém, te persegue no dia seguinte. Do hotel em que estou, no centro da cidade, vejo toda hora os aviões descendo, com uma proximidade assustadora.

A aparente boa notícia é que o aeroporto Mariscal Sucre vive seus últimos dias, será aposentado na semana que vem e substituído por um novo, a cerca de 20km do centro, em Talabela. Nos últimos 30 anos, acumulou algumas passagens de puro terror. Foram quatro acidentes causados por choques de aviões contra edifícios da capital, como em São Paulo, perigosamente próximos à pista de aterrissagem.

Na semana passada, o jornal inglês “The Guardian” publicou um vídeo com a visão dos pilotos que descem em Mariscal Sucre. É bastante impressionante e os ouvidos na reportagem dizem que o mau clima mostrado nas imagens é uma constante (www.guardian.co.uk/world/video/2013/feb/07/ecuador-mariscal-sucre-airport-video). Que o governo local esteja finalmente construindo um novo e moderno, talvez mais seguro, aeroporto, é uma boa notícia, e um exemplo a ser seguido por algumas urbes do continente.

Blogs da Folha