Uma outra Buenos Aires

Sylvia Colombo

Nesses dias de calor absurdo, em que Buenos Aires está a ponto de colapsar pela falta de estrutura para suportar as chuvas e o alto consumo de energia elétrica causado pelo ar condicionado, visitar a beira do Rio da Prata é um alívio. Mais ainda se o que se pode ver é uma exposição de imagens da cidade nos últimos 50 anos. Um tempo em que o caos urbano ainda estava sob controle, e os elementos mais característicos da cidade eram mais fáceis de detectar e admirar.

É o que se pode ver na exposição “Aldo Sessa – A Cidade em 50 Anos”, que reúne 130 imagens desse pintor e fotógrafo portenho de ascendência italiana. A mostra está no Museo Fortabat, no bairro de Puerto Madero. Aos 73, Sessa oferece aqui um retrato da cidade através de diferentes abordagens e personagens. Está a Buenos Aires dos parques _Sessa é apaixonado pelo Rosedal dos bosques de Palermo_ do porto, dos campos de futebol da periferia, dos monumentos históricos como o Obelisco ou o Teatro Colón, assim como os dos bairros do sul, Barracas e a Boca.

“Buenos Aires é uma cidade composta por uma quantidade de pequenas coisas queridas que a transformam seu rosto muito particular, próprio”, disse o artista em uma entrevista. Suas fotos buscam um ângulo original para cada um das que enfoca. Pode ser o sorriso dos meninos que brincam nos silos de Puerto Madero, o olhar calmo do barbeiro tradicional do bairro de Santelmo, a calma com que espera seus clientes um fotógrafo do Jardim Botânico ou a elegância da bailarina de tango em uma série famosa de fotos suas sobre o gênero.

Em conversa com o jornal “La Nación”, Sessa chamou a atenção para a moda de fotografar o decadente. Protestou contra os que fazem isso sem sensibilidade. “O olhar agora está no decadente. É como se todo o mundo tivesse descoberto a beleza no abandonado e no destruído.” Não sem uma ponta de amargura, o veterano recorda que já ia ao bairro da Boca encontrar superfícies oxidadas há 30 anos.

Na mostra, também estão algumas das máquinas que usa, a mais frequente é uma Leica M5 carregada com a película Tri-x de Kodak (“para mim é como um violino”).

Mais do que uma sessão de nostalgia, a mostra de Sessa mostra uma Buenos Aires viável, que vivia em melhor harmonia com seu crescimento. Talvez fosse uma boa ideia convidar os atuais administradores da capital a visitá-la e tirar daí inspiração, além de lembrá-los que é preciso manter e preservar o patrimônio de uma das mais lindas cidades da América Latina.

 

 

Comentários

  1. My brother suggested I might like this blog. He was totally right. This post truly made my day. You can not imagine just how much time I had spent for this information! Thanks!

  2. Preparation was classy and the recipe provided a solid foundation for cioppino. However, there are a few additions and substitutions that needed to be made. Needed Uma outra Buenos Aires | Sylvia Colombo – Folha de S.Paulo – Blogs to include more oregano and thyme to balance the parsley. Undecided regardless of whether developed a difference or not satisfying you, but instead of fish stock, I oftentimes tried clam juice (diluted a whole bottle approximately 3 c water. Furthermore were required to start using a whole bottle of white wine I used Chardonnay. Alongside this substituted Alaskan king crab legs (approx 5 large legs for any Dungeness crabs because Alaskan king crab is sweeter. Other ??????? 576 as opposed to above additions and substitutions, aspects was fine. Great starting point for for good cioppino.

  3. Thanks for the sensible critique. Me & my neighbor were just preparing to do a little research on this. We got a grab a book from our area library but I think I learned more clear from this post. I am very glad to see such fantastic info being shared freely out there.

Comments are closed.