A ponte da discórdia

Passei uns dias na badalada costa uruguaia, que no verão vira ponto de encontro de celebridades, artistas e endinheirados em geral, principalmente argentinos, uruguaios e, cada vez com mais frequência, brasileiros. A história que mais me chamou a atenção foi a polêmica da ponte da Laguna Garzón, porque guarda muitas semelhanças com relação ao modo como progresso e sustentabilidade caminham na costa brasileira.

A Laguna Garzón é um cenário deslumbrante, ao lado da exclusiva praia de José Ignacio, que virou o lugar mais hype dos arredores de Punta del Este. Divide dois departamentos (Estados) uruguaios, Rocha e Maldonado. Hoje, o transporte de um lado para outro é feito por meio de precárias balsas de madeira, que por seu tamanho e frequência reduzidos, acabam fazendo com que seja trabalhoso cruzar e, com isso, deixam o lado de lá mais desértico, e mais belo.

Nos últimos anos, porém, empresários do meio imobiliário começaram a propor que se construísse uma ponte para facilitar o acesso. Entre os que comandam essa iniciativa está o criador do Malba (Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires), o argentino Eduardo Costantini, mais conhecido entre os brasileiros por ser o comprador da tela “Abaporu”, de Tarsila do Amaral.

Desde então, vários projetos surgiram, alguns mais, outros menos agressivos ao ambiente. Acabou sendo escolhido o do arquiteto Rafael Viñoly, autor de alguns desenhos famosos no Uruguai, como o do aeroporto de Carrasco, em Montevidéu.

Grupos de moradores e comerciantes da área são contra. Dizem que a ponte causará uma ocupação imobiliária desenfreada na região, além de causar impacto na fauna local. Desde 2009, quando surgiu o projeto, vêm aparecendo nos meios para pedir ajuda contra o empreendimento. “Para mim a ponte é um erro porque, se alcança um dos objetivos de realçar esse lugar, o impacto visual é muito grande e escapa ao racional”, diz Guzmán Artagaveytia, um dos proprietários do La Huella, o mais importante restaurante de José Ignacio. As reclamações contra a ponte incluem desde habitantes da região a políticos de esquerda e direita, como o senador Pedro Bordaberry, que acusou o governo da Frente Ampla, do presidente José “Pepe” Mujica de estar fazendo demasiadas concessões à indústria do turismo.

O projeto prevê uma ponte circular apoiada em 16 pilares, que permitem a navegação por baixo dela e, segundo o arquiteto, a livre circulação da água e dos peixes. A iluminação será baixa, na tentativa de causar o menor impacto visual possível, e não será permitido o trânsito de veículos pesados.

Apesar das pesadas críticas, o projeto foi aprovado pelo órgão responsável pelo ambiente no Uruguai, a construção deve começar em julho e o custo, de cerca de US$ 5 milhões, deve ser financiado por Costantini.

O turismo hoje responde a 8% do PIB do pequeno Uruguai. Segundo Mujica, trata-se da “galinha dos ovos de ouro” do país. O problema é que, para incrementar essa indústria, o presidente, seu partido e as autoridades locais, ligadas a ele, não têm levado em consideração a opinião dos habitantes. Na tarde da última terça-feira, caminhando por José Ignacio em direção à Lagoa, conversei com um casal de italianos que vem todos os anos ao Uruguai para passar as férias. “Se o Uruguai quer parecer a Florida, é bom ter claro que mudará o público que o frequenta, sem agradar quem mora aqui. É bom pensar bem”.

 

 

Comentários

  1. I must point out my affection for your generosity in support of folks that actually need help with this one subject matter. Your real commitment to passing the message along came to be exceptionally significant and have frequently allowed somebody like me to realize their dreams. This helpful facts entails this much to me and especially to my mates. Thanks a ton; from everyone of us.

  2. This is a good posting, I was wondering if I could use this write-up on my website, I will link it back to your website though. If this is a problem please let me know and I will take it down right away

  3. The as if you understand my head! Material understand a lot relating to this, like you composed the novel there as well. I’m sure which can be done with some per-cent to be able to strain the message dwelling slightly, having said that as an alternative to in which, this is fantastic weblog. An outstanding read. I will easily be again.

  4. For people of you who are familiar with the educational demonstrates that PBS puts out for each grownups and young children you will be pleased to know that there is an on the web web-site referred to as PBS little ones. This website offers educational PBS kids games and a full good deal more for your child. Right here are some usually asked inquiries about this site, that may possibly assist you make a decision if PBS young children video games are suitable for you.

  5. You…are…my…hero!!! I cant believe something like this exists on the internet! Its so true, so honest, and more than that you dont sound like an idiot! Finally, someone who knows how to talk about a subject without sounding like a kid who didnt get that bike he wanted for Christmas.

  6. I was wondering if you ever considered changing the layout of your blog? Its very well written; I love what youve got to say. But maybe you could a little more in the way of content so people could connect with it better. Youve got an awful lot of text for only having one or two images. Maybe you could space it out better?

Comments are closed.