Sylvia Colombo

Latinidades

 -

Sylvia Colombo acompanha o crescente intercâmbio cultural entre o Brasil e o resto da América Latina. No blog, traz novidades e tenta explicar o contexto político da região.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Lixo por todo lado

Por Sylvia Colombo

Onde andam os bons ares de Buenos Aires? Certamente, não no centro da cidade e em bairros como Santelmo, Recoleta e Palermo. Um duplo conflito político tem feito o ar da cidade ser quase irrespirável em algumas ruas, além de atrapalhar o trânsito e estragar a paisagem dessa linda cidade.

Nos últimos meses, tem havido conflitos entre sindicalistas ligados à área de limpeza. Divididos entre governistas e não-governistas, eles recolhem o lixo dependendo das relações entre seus chefes. Estes, são nada menos que a presidente Cristina Kirchner, o prefeito, Mauricio Macri, e o governador, Daniel Scioli.

Cristina quer dinamitar o poder de Macri e dobrar Buenos Aires. Sua ideia é fazê-lo desistir de tentar ser presidente da República em 2015. Já Macri, político insosso e sem pulso, peca por deixar tão evidente seu despreparo e desinteresse. Há poucas semanas, quando a cidade enfrentava um dilúvio e o lixo flutuava descontrolado pelas ruas, ele posava para fotos ao lado da banda Kiss, que visitava o país. Já Scioli, também pré-candidato, quer limitar a quantidade de lixo que a cidade leva aos aterros em seus arredores. Nestes, as condições são precárias, e atravessá-los por meio da estrada que o corta é de revirar o estômago, tamanho o mau cheiro.

Em época de temperaturas a quase 30 graus, Buenos Aires tem sofrido ainda mais com o problema. Caminhar pelas ruas do centro é uma aventura, é preciso desviar das disformes montanhas de lixo e segurar a respiração para não inalar o fedor. Quando chove, e tem chovido muito, os buracos das ruas são tapados pelos detritos, fazendo com que a água transborde para todos os lados, inundando blocos inteiros.

Temos pelo menos ainda dois meses de calor intenso. Se os problemas políticos persistirem, os portenhos estarão agoniados e torcendo para que o inverno chegue logo. Se não para curtir uma piscina, pelo menos para respirar aliviados.

 

 

Blogs da Folha