Brasil para principiantes

A 26a Feria Internacional del Libro de Guadalajara está fazendo um esforço enorme para incluir o Brasil na festa. O empreendimento é admirável, mas a distância cultural entre nosso país e o mundo de língua hispânica ainda é gigantesco e, pelo menos à primeira vista, intransponível. Por um lado, basta olhar a linha de frente dos destaques do evento para se dar conta de que quase nenhum autor ou título está publicado no Brasil. Escritores  como Jorge Volpi, Juan Villoro, Elena Poniatowska praticamente não estão publicados no Brasil, e seus nomes, apesar da envergadora e da projeção na Europa e nos EUA, parecem pouco ou nada significarem para editores brasileiros.

Por outro lado, o mundo hispano-americano tampouco tem muita ideia do que se passa no Brasil. Pior, algumas gafes feias são cometidas. Ontem, numa das mesas do evento, o mexicano David Toscana fez a seguinte observação ao amazonense Milton Hatoum: “deve ser difícil ser escritor no Brasil com todas essas praias e ‘muchachas’ que estão ali te distraindo, não?”. Detalhe, Toscana já esteve no Brasil, e participou de uma edição da Flip.

Quatro escritores brasileiros se reuniram ontem num debate dentro do evento. Por quase duas horas, Marçal Aquino, Cíntia Moscovitch, Luis Ruffato e Paula Parisot responderam a perguntas de um mediador e do público. As perguntas, apesar de bem-intencionadas, não fizeram a discussão levantar. “Como seria para vocês viver numa cidade diferente, dentro do Brasil, é possível?”, “Como lidar com temas sobre o corpo num país que cultua tanto a beleza?”, “Como é possível fazer literatura numa cidade tão caótica e violenta como São Paulo?”, “Quem são seus escritores favoritos?”.

O quarteto, porém, ganhou o público. Com respostas claras e bem-humoradas, falaram da impossibilidade de viver da literatura no Brasil, do envolvimento com a profissão, das peculiaridades das cidades de onde vêm, São Paulo, Cataguazes e Porto Alegre e de autores brasileiros. Marçal Aquino contou que vive do relato das ruas no Brasil, que gosta do caos e de conversar com quem encontra, que daí surge sua literatura. E que deve muito a Graciliano Ramos e que prefere viver de roteiros e outros trabalhos, para dedicar à literatura o tempo livre. Moscovitch fez o público rir com suas anedotas sobre vida pessoal e o aspecto humorístico de sua literatura. Paula Parisot, distante aqui da polêmica sobre sua relação com Rubem Fonseca, fez questão de lembrar o mestre e contou que se não fosse por ele se aborreceria tremendamente com o fato de ser obrigada a dormir numa biblioteca quando tinha 12 anos.

Já Ruffato falou da seriedade com que encara a literatura e de como é trabalhar em São Paulo. Explicou a todos que apesar do caos é possível ter uma vida “humana” na metrópole, conhecendo os taxistas e o sujeito da padaria. E ilustrou a cidade com a imagem que viu outro dia: um mendigo remexendo o lixo atrás de comida, com uma camiseta com os dizeres: “gente é pra brilhar”. O público o olhava meio embasbacado. Pelo que contaram os escritores ao público de Guadalajara, o Brasil é diverso e alegre, mas definitivamente, não para principiantes.

Comentários

  1. An impressive share, I simply given this onto a colleague who was doing just a little evaluation on this. And he in reality purchased me breakfast as a result of I discovered it for him.. smile. So let me reword that: Thnx for the deal with! However yeah Thnkx for spending the time to debate this, I really feel strongly about it and love reading more on this topic. If possible, as you develop into experience, would you mind updating your blog with more particulars? It’s extremely useful for me. Large thumb up for this blog publish!

  2. Great items from you, man. I have take note your stuff previous to and you’re simply too magnificent. I actually like what you’ve got here, certainly like what you are saying and the best way through which you are saying it. You are making it enjoyable and you continue to take care of to stay it sensible. I can’t wait to learn much more from you. This is actually a great website.

  3. I absolutely love your website.. Pleasant colors & theme. Did you make this website yourself? Please reply back as I’m trying to create my very own blog and would like to learn where you got this from or exactly what the theme is named. Kudos!

  4. With Oakley and create a presence in of more than 100 countries worldwide, and with Oakley online giving entry to a lot of ugg ?? people via the Internet, their growing message is that they need to be seen as the innovators of reinventing the technique of eyewear. Their passion that ignited the Brasil para principiantes | Sylvia Colombo – Folha de S.Paulo – Blogs optical industry offers their vision to get but not only the top optical product providers, but also the leader in quality fashion, together with exciting distinct accessories!

  5. This is the right web site for anybody who wants to find out about this topic. You know a whole lot its almost tough to argue with you (not that I actually would want to…HaHa). You certainly put a fresh spin on a topic that has been discussed for ages. Great stuff, just excellent!

  6. I got what you mean , regards for putting up.Woh I am pleased to find this website through google. “Delay is preferable to error.” by Thomas Jefferson.
    ????????
    [url=http://goo.gl/SNWQuj]????????[/url]

  7. I simply desired to appreciate you all over again. I’m not certain what I would’ve tried in the absence of the entire smart ideas shown by you over my area. It was actually a frightful crisis in my opinion, however , considering a specialised approach you dealt with the issue forced me to weep with gladness. I will be happier for the service and in addition pray you really know what an amazing job you were providing instructing others thru your website. I’m certain you’ve never got to know any of us.

Comments are closed.