Argentina, ou a vida numa bolha

A Argentina é um país encantador e cheio de gente interessante, uma cultura literária e musical intensa e vibrante, e Buenos Aires é uma cidade agradável, de linda arquitetura. Na verdade, a lista de atributos é muito grande e, desde que cheguei aqui para viver, em julho de 2011, me surpreendo positivamente com várias coisas.

Mas é preciso dizer que há algumas características gerais –não estou falando de exceções– que irritam. Ou melhor, que até contaminam e te fazem achar normal certas coisas. Por sorte, saio seguidamente do país e, a cada viagem, fica mais fácil constatar: o argentino médio é provinciano e não dá bola para o mundo. Pior, em muitos casos, odeia o mundo e acha que ele só existe para tirar daqui suas riquezas e maravilhas.

Podemos começar, por exemplo, pelos noticiários e pela TV. Se você consumir apenas os jornais, programas e sites argentinos, pouco ficará sabendo do que acontece na Síria, na Líbia, em Israel, até mesmo no Brasil, o vizinho e principal parceiro comercial da Argentina. Com exceção da eleição norte-americana, e mesmo esta foi só um pouco mais ampla que as outras notícias internacionais, tudo o que acontece lá fora interessa pouco, ou é usado para reforçar um nacionalismo tipo torcedor, em alguns casos pode-se dizer primitivo.

O mundo das artes, por sua vez, tem cada vez menos variedade. Os cinemas de arte tornaram-se raros, os livros importados têm dificuldade para entrar, a música de fora vem menos porque a situação econômica não permite a vinda de shows e concertos como no antigamente.

Talvez a origem disso tudo esteja no passado colonial, nos tempos em que a Argentina era um rincão afastado do império espanhol, onde tanto as ideias como a comida e as roupas tinham muita dificuldade em chegar. Desenvolveu-se, então, um sistema de sobrevivência baseado na autoafirmação do caráter nacional.

Some-se a isso as dificuldades econômicas do presente e o autoritarismo de um governo essencialmente nacionalista, e temos uma mistura bastante difícil de engolir.

O isolamento mais o nacionalismo têm efeitos nocivos. É uma característica forte no argentino a ideia de que o que vem de fora não é nunca para ajudar ou para somar, mas sim para estragar, aproveitar, levar embora.

É difícil entender porque o discurso do governo kirchnerista é tão eficiente se não tomarmos em conta esses elementos. É quase uma fórmula, que o governo usa com habilidade já há algum tempo.

Na época do aniversário dos 30 anos da Guerra das Malvinas, foi assim. Cristina apelou para o nacionalismo e o ódio ao império britânico –mesmos elementos usados antes na ditadura– para fazer renascer nos argentinos a reivindicação pelas ilhas. Perdida essa batalha, usou a receita para expropriar a YPF. Os espanhóis foram retratados como exploradores, seu passado colonial reavivado. Resultado, a medida teve amplo apoio tanto da direita como da esquerda.

Recentemente, tivemos o caso da Fragata Liberdade, embarcação retida no porto de Tema, em Gana, por determinação da Justiça daquele país atendendo a um pedido de um “fundo abutre” norte-americano para quem a Argentina deve.

Na ocasião, Cristina apelou novamente ao anti-estrangeirismo médio do argentino, disse que “podiam ficar com nossa fragata, mas não com nossa soberania”. O detalhe é que não se trata de um ataque ao país, apenas a cobrança de uma dívida não paga.

Agora, o mesmo está sendo dito com relação à decisão do juiz Tomas Griesa que obriga o país a pagar suas dívidas com credores norte-americanos até o dia 15 de dezembro. Transformando um problema grave em arma para fortalecer seu relato, o kirchnerismo tenta capitalizar apoio atirando contra os “fundos abutre” que vêm do exterior com a única intenção de prejudicar a Argentina.

É claro que estou fazendo uma generalização, e parte da cultura do país é cosmopolita e aberta, não poderia ser diferente numa cidade que nasceu em torno de um porto.

Porém, nos dias de hoje, quando se contrapõe a Argentina nacionalista, voltada para o próprio umbigo, à Argentina aberta e moderna, tão famosa no começo do século 20, esta segunda parece estar fora de moda, sufocada pela primeira. O espírito dos tempos kirchneristas reforça a divisão, a manutenção das fronteiras e o entrincheiramento do país diante dos outros, até dos vizinhos, como o Brasil.

O atual governo está fazendo um uso político negativo de um aspecto caráter nacional para levar o país à contramão do mundo e dos tempos. Uma pena.

Comentários

  1. Pingback: Secador de maos
  2. Pingback: Secador de maos
  3. Pingback: Secador de maos
  4. Pingback: Secador de maos
  5. Pingback: Secador de maos
  6. Pingback: Secador de maos
  7. Hurrah, what a quality it is! For the reason that mostly YouTube video clips have no nice feature, however this Argentina, ou a vida numa bolha | Sylvia Colombo – Folha de S.Paulo – Blogs is genuinely a fastidious quality video.
    nike free 5.0

  8. Laser etching Argentina, ou a vida numa bolha | Sylvia Colombo – Folha de S.Paulo – Blogs method: This is often a common method which is used to imprint the promotional clothes. On this method the logo of your organization is scalded inside the fabric using the powerful laser machines. This sort of imprinting way is generally ?? ??????? applied to clothes just like towels and fleece.

  9. Magnificent beat ! I wish to apprentice while you amend your web site, how can i subscribe for a blog web site? The account aided me a acceptable deal. I had been tiny bit acquainted of this your broadcast offered bright clear concept
    moncler bimbo

  10. Thanks for your whole hard work on this site. Kate really likes getting into investigations and it’s easy to see why. A number of us know all relating to the powerful manner you offer insightful tips through the web site and as well strongly encourage participation from some other people about this area while my simple princess is starting to learn a great deal. Take pleasure in the rest of the year. Your carrying out a fabulous job.
    woolrich 2009

  11. Ssangyong- the corporation whoms seeking to develop a lot ofnew modelsin the next few years to secure a even bigger slice with the business, partnered along with ShanghaiAutomotive Companies Team as well as showcased all their freshest sleek and stylish DESPITE THE FACT THAT, referred to as C200, within the ParisMotor Display recently. The structure was produced by Giugiaro simply because their ItalDesign styling home is at demand using the seems on the new models to get built.

  12. Oh my goodness! an impressive write-up dude. Thank you Nevertheless I am experiencing issue with ur rss . Don’t know why Unable to subscribe to it. Is there everyone finding identical rss predicament? Anybody who knows kindly respond. Thnkx
    [url=http://www.cheapjordandd.350.com/testpage.htm]jordans free shipping[/url]

  13. Aw, this was a seriously nice post. In concept I would like to put in writing like this additionally – taking time and actual effort to create a especially beneficial article?- but what can I say?- I procrastinate alot and by no indicates appear to obtain some thing carried out.
    [url=http://www.indyarocks.com/blog/1413200/Most-people-might-at-the-moment-have-a-dunk-within-your-various-eye-out-from-the-Mens-Nike-Blazer-Higher]cheap jordans free shipping[/url]

  14. The next time I read a blog, I hope that it doesnt disappoint me as significantly as this one. I mean, I know it was my option to read, but I essentially thought youd have some thing fascinating to say. All I hear is actually a bunch of whining about some thing that you simply could fix if you ever werent too busy looking for attention.
    [url=http://sneakerssyaf.blog.fc2blog.us/blog-entry-1.html]cheap jordans free shipping[/url]

Comments are closed.