Sylvia Colombo

Latinidades

 -

Sylvia Colombo acompanha o crescente intercâmbio cultural entre o Brasil e o resto da América Latina. No blog, traz novidades e tenta explicar o contexto político da região.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Uma modalidade delirante de jornalismo

Por Sylvia Colombo

[youtube jsckUU5xOAc]

A coisa mais delirante que se viu durante a marcha do último dia 8 de novembro, o 8N, foi a atuação da “repórter” Cynthia García, do programa “6,7,8”. Como já se sabe, essa atração da TV Pública, paga com impostos dos cidadãos argentinos, destina-se a criticar, atacar e avacalhar a cobertura política dos meios opositores ao governo, em especial o “Clarín”. Além disso, é a voz do governo na TV estatal, ali são adiantadas políticas e anúncios de governo, são lançadas tendências da gestão.

Pois no dia da marcha anti-kirchnerista, o “6,7,8” se armou e mandou sua soldada Cynthia García às ruas. Sua função era ouvir os manifestantes. Não. Na verdade, Cynthia não ouviu ninguém, atropelou as respostas, contestou as informações que vinham da multidão, humilhou seus entrevistados e quase comprou brigas de verdade.

Primeiro, García enfrenta um grupo de garotos que pergunta porque seu dinheiro vai parar nos bolsos de Cristina. García contesta dizendo que não é assim, que os impostos vão para a população menos favorecida. Eles riem, um deles tenta perguntar se ela não tem vergonha de negar a insegurança. García diz que não há insegurança na Argentina e que o índice de delito de Buenos Aires é menor que o de Nova York. “Qualquer cidade grande do mundo tem índice de delito”, resumiu. Os meninos se enchem e lhe dão as costas.

Depois conversa com um casal que reclama também da insegurança. García pergunta: “Como se soluciona o problema da insegurança? Que projeto político resolve o problema da insegurança?”, dizia, como se os cidadãos tivessem a obrigação de conhecer questões administrativas que devem ser tomadas para resolver o problema.

Depois, topa com um senhor que carrega um cartaz contra “os corruptos”. Ele diz: “todos aqui querem que essa gente se vá, são ladrões, têm de ir pra cadeia”. García tenta negar o enriquecimento ilícito da presidente. “Seus dados não estão certos”, balbuceia. Depois, enfrenta um outro senhor, mais aguerrido, que lhe pergunta se tem de agradecer à presidente por ter trabalho. O clima esquenta. Um outro rapaz diz que não entende porque tem de “ter medo da presidente” [frase que ela mesma pronunciou em cadeia nacional]. García responde que a frase não era exatamente essa e que estava fora do contexto. Riem dela, que se põe mais agressiva.

Os entrevistados foram entrando no desafio e acusaram a jornalista de ganhar um salário 3 vezes mais alto do que o de um jornalista comum por prestar-se a esse papel. As altercações vão ficando mais comuns.

Num outro momento, ela enfrenta uma moça que está com dificuldades de comprar remédios para a mãe com câncer devido às restrições às importações de Moreno. García minimiza seu problema: “Você acha que esse problema pontual seu está representado nessa marcha?”.

Nos dias seguintes, Garcia teve seus 15 minutos de fama. Foi entrevistada pelos meios, defendeu seu trabalho dizendo que estava “desmontando clichês”. Em nenhum lugar do mundo trabalho tão tosco e irresponsável, além de desrespeitoso e anti-democrático, poderia ser chamado de jornalismo. Na Argentina dos tempos de kirchnerismo, infelizmente, é assim. Dá vontade de rir ver a atuação de Cynthia. Ao nos lembrarmos que ela o faz em nome dessa profissão, usando dinheiro de impostos e tempo da TV pública nacional, o riso dá lugar à depressão.

 

 

Blogs da Folha