Sylvia Colombo

Latinidades

 -

Sylvia Colombo acompanha o crescente intercâmbio cultural entre o Brasil e o resto da América Latina. No blog, traz novidades e tenta explicar o contexto político da região.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Ateneo, cem anos de livros

Por Sylvia Colombo

 

Existem alguns hits entre os brasileiros que visitam Buenos Aires. Além das tradicionais visitas às casas de carne, às compras e ao tango, nossos turistas adoram ir ao Malba para ver o “Abaporu” e à livraria Ateneo, na Santa Fe. Quando a tela de Tarsila do Amaral está viajando, há gente que se revolta e “chama o gerente”, faz reclamações e se indigna, segundo me conta a assessora de imprensa do museu. Com relação à livraria, ela é sempre lembrada entre as recomendações aos viajantes e identificada com o perfil culto e intelectualizado da capital argentina.

Na última semana, a Ateneo, que é também uma cadeia de livrarias e uma editora, celebrou seus 100 anos com festa para convidados e show. A história do empreendimento é bem particular e acompanhou as transformações de Buenos Aires nas últimas décadas.

Foi fundada em 1912, por um imigrante espanhol chamado Pedro García. Mais que um empresário e integrante de uma família de livreiros, García lançou um selo com um catálogo de clássicos e começou a impulsionar atividades paralelas na livraria, cujo primeiro endereço foi no centro.

As jornadas, chamadas de “La Primavera de las Letras”, reuniam nada menos que Jorge Luis Borges, Bioy Casares, Virginia e Silvina Ocampo, Mujica Lainez e Leopoldo Marechal. Anos depois, dariam origem à Feria del Libro de Buenos Aires, hoje um mega evento anual do porte das nossas bienais do livro.

Durante a Guerra Civil espanha e o franquismo, o selo Ateneo abrigou autores e editores proibidos na Europa, que buscavam a Argentina para veicular suas ideias e produtos. Os filhos de García, Pedro e Eustasio, mantiveram o negócio após a morte do pai, em 1948, e depois fundiram a livraria com o grupo Yenny.

Hoje, além da livraria conhecida dos brasileiros, na Santa Fe, a Ateneo tem mais três endereços em Buenos Aires, um na avenida Juramento e dois na calle Florida, além de 45 lojas espalhadas pelo país. A da Santa Fe, que funciona onde antes havia um grande teatro, já foi eleita a segunda mais bonita pelo jornal “The Guardian”, atrás apenas da holandesa Boekhandel Selexyz Dominicanen.

Buenos Aires é uma cidade muito literária, e nomear apenas a Ateneo é quase uma injustiça. As opções cruzam os bairros e incluem desde lojas-butique de Palermo, como a Eterna Cadencia e a Libros del Pasaje, até os famosos sebos da Corrientes. Ainda assim, é de se comemorar que um país cuja história independente tem 200 anos possua uma livraria em boa forma, com lojas em todo o país e um selo ainda muito atuante.

 

Blogs da Folha