Sylvia Colombo

Latinidades

 -

Sylvia Colombo acompanha o crescente intercâmbio cultural entre o Brasil e o resto da América Latina. No blog, traz novidades e tenta explicar o contexto político da região.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Viagem à terra do petróleo

Por Sylvia Colombo

Saiu hoje no caderno Mundo reportagem que fiz nesta semana em Chubut, na Patagônia, sobre a “terra do petróleo” (www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/41243-cidade-da-ypf-comemora-expropriacao.shtml, para assinantes).

Comodoro Rivadavia foi o primeiro lugar na Argentina onde se encontrou petróleo, em 1907. Hoje, a cidade vive a nostalgia do tempo em que a petroleira YPF era estatal e provia quase tudo a seus orgulhosos trabalhadores. Também convive com os problemas sociais causados pelas demissões em massa que ocorreram quando a empresa passou para as mãos da iniciativa privada, nos anos 90.

Portão do hospital Alvear, construído pela YPF, em Chubut

Hoje, a cidade, que ainda vive do petróleo, está tomada por uma grande expectativa com relação à estatização da empresa. Viajar até lá foi importante para entender o tão contestado argumento argentino que defende a medida do governo. Difícil encontrar, entre os habitantes entrevistados, alguém que fosse contra a lei de expropriação.

Muro com pichação pró-YPF estatal, em Comodoro

Para compreender melhor como vivem as províncias petroleiras, uma dica é o novo, e ainda inédito no Brasil, filme do cineasta e deputado Fernando “Pino” Solanas, “Oro Negro”, que pode ser visto na íntegra também via Youtube.

[youtube fsOosI2Q4DI]

Solanas, realizador de clássicos latino-americanos como “Tango: Exílio de Gardel” e “A Nuvem”, aqui mergulha no universo dos homens e mulheres do petróleo, descendentes dos primeiros exploradores da região. O cineasta, que é um crítico do governo de Cristina Kirchner, defende a estatização da YPF e fez os discursos mais entusiastas sobre o tema nas últimas semanas de discussão no Congresso.

Blogs da Folha